Os 3Ps para você aprender a tirar proveito das
mudanças do mercado e reerguer a sua empresa.

Confira as dicas para quem precisa repensar o
modelo e a razão de existir do seu negócio em um
contexto de pandemia.

A pandemia obrigou todo o planeta a se reavaliar, concorda? Quem pôde, ficou e ainda está quarentenado em casa. O comércio fechou as portas em março e só agora ensaia um retorno. As pessoas colocaram em cheque toda a sua forma de consumo e gastos. O entretenimento deslocou-se das ruas para as telas. E o seu negócio no meio disso tudo? Perdeu a força e agora precisa se reinventar? Vamos indicar a você três caminhos para dar a volta por cima.

1) Propósito

Primeiro, uma dica que muitos podem torcer o nariz: a busca pelo propósito. Parece até incoerente falar de propósito quando milhares de profissionais fecham as portas de seus sustentos. Mas esse assunto, que mais parece discurso de jovens empreendedores, merece mais atenção neste momento. A pandemia levou as pessoas a questionarem seus hábitos de consumo e, consequentemente, se as marcas têm posicionamento coerente com suas crenças, com suas reais necessidades e com as transformações sociais. As pessoas, mais do que antes, passaram a enxergar as empresas como aliadas de transformação social. E sua marca pode ter uma trajetória relevante. Simon Sinek fala, no famoso vídeo a seguir, sobre como marcas podem inspirar pessoas a partir do golden circle, um método para desvendar o propósito de uma empresa ao se perguntar um simples “por quê”.

2) Plano de negócios

Depois que o propósito estiver mais claro para você, é hora de colocar no papel os pontos fortes e fracos, valores da empresa, custos, parceiros e outros itens essenciais para o seu negócio se reformular e chegar diferente ao mercado. Para ajudar você nisso, o Sebrae acabou de lançar uma ferramenta, ainda em fase beta, para você fazer tudo online sem precisar baixar nenhum aplicativo. Clique aqui e confira o PNBox.

3) Prototipagem

Antes de você saltar de uma ideia inovadora para a execução dela, existe uma etapa que envolve um conceito muito importante para garantir a segurança do investimento: o famoso protótipo ou MVP - Minimum Viable Product (mínimo produto viável). Trata-se de uma produção física ou digital – de qualquer projeto, produto, ideia ou modelo de serviço – que tem como intuito testar ou experimentar sua funcionalidade, seu formato, sua mecânica, etc. E sem investimentos expressivos para que seja possível melhorar aquilo que vier a apresentar problemas. Esse conceito não se limita às startups como a maioria das pessoas pensa. Você pode, por exemplo, começar a vender seus produtos para um grupo menor dentro do bairro e colher o feedback, ou desenvolver uma ferramenta mais simples para testar um serviço de delivery e só depois investir em uma plataforma de e-commerce. O importante aqui é entender que é preciso testar, errar e poder consertar para melhorar a sua ideia antes de um investimento.

São três passos que se complementam e que poderão elevar o seu negócio a outro patamar, independentemente do tamanho da sua empresa ou do investimento disponível. Com o seu negócio tomando forma, procure uma cooperativa de crédito parceira da Sipag e conheça as soluções de pagamento eletrônico que podem ajudar a sua empresa a lucrar mais.

Como o varejo pode se reinventar
na pós-pandemia?

É possível recuperar o seu negócio a partir de estudos e
indicativos de como o comportamento do consumidor mudou e pode
influenciar o mercado do varejo. Saiba mais.

Já não é nenhuma novidade afirmar que o coronavírus trouxe transformações para o mercado que mudaram bastante os hábitos dos consumidores, certo? As palavras-chaves da vez passaram a ser online e digital. Aliás, falamos da importância do ambiente online para o seu negócio neste post. Agora, vamos aprofundar um pouco mais no mercado do varejo e entender como o comportamento de consumo está indicando novos caminhos e tendências para os empresários do ramo?

Antes de tudo entenda que ainda é muito incerto falar do futuro do mundo pós-covid19, mas precisamos destacar alguns novos movimentos que vão influenciar seus negócios. E, mais do que nunca, as marcas precisam entender que a regra agora é estar constantemente preparadas para se reinventar e nunca ignorar os sinais.

Em uma pesquisa realizada pelo Social Miner e o OpinionBox os números indicam que os e-commerces continuarão a influenciar a decisão de compra, mesmo em um cenário pós-pandemia. Entenda como:

   • 22% dos entrevistados compraram online de lojas que já eram clientes no físico.
   • 64% vão continuar comprando tanto online quanto offline.
   • 31% desejam comprar online e retirar em lojas físicas.

Isso indica a importância de se pensar na jornada online do consumidor. Você sabia que existe um conceito chamado omnichannel? Isso nada mais é do que se pensar em canais de distribuição, comunicação e relacionamento verdadeiramente integrados com o consumidor, estreitando o online e o offline. Por exemplo, o cliente acessa o canal online de vendas para pesquisar e efetuar uma compra que entra no sistema da loja física instantaneamente que, por sua vez, prepara o pedido para a retirada presencial do cliente no mesmo dia. Entenda mais sobre o conceito clicando aqui.

E não para por aí a importância da tecnologia para a experiência e usabilidade do consumidor. Confira o que mais tem se tornado essencial:

   • 26% dos entrevistados esperam uma boa navegabilidade dos sites (boas imagens de produtos, carregamento rápido das páginas, campos de pesquisa funcionais).
   • 39% desejam atendimento fácil e ágil.
   • 25% desejam mais detalhes e informações sobre os produtos (materiais, fotos, guias de tamanhos).

Além da presença online, ter um posicionamento claro e apoiar pequenos negócios são outras duas tendências para o consumo na pós-pandemia.

   • 6,5% dos entrevistados acharam lojas online por ações sociais durante a quarentena.
   • 10% dos consumidores conheceram lojas online por ações de incentivo a pequenos negócios.
   • 33% preferiram comprar de pequenas lojas e produtores locais e 24% continuarão a comprar dos locais pós-pandemia.

Isso significa que os pequenos também estão no radar dos consumidores, desde que sua experiência de compra seja eficiente. A boa notícia é que ter ótimos canais online não é exclusividade das grandes marcas e conglomerados. Com o parceiro tecnológico certo, você pode se destacar localmente no seu mercado e se recuperar da crise. Pense nisso e pesquise bastante sobre o assunto. Para ajudá-lo ainda mais, a Sipag possui várias soluções de pagamento que podem auxiliar na eficiência do seu negócio. Procure por uma cooperativa de crédito para saber qual solução é ideal para o seu negócio e boa sorte nesta retomada.

Como se destacar no mercado
em um cenário pós-pandemia?

As empresas têm enfrentado inúmeros desafios e muitas delas
enxergaram oportunidades e soluções investindo em tecnologias digitais.

Na sua opinião, qual foi o movimento durante a pandemia adotado praticamente pela maioria das empresas? Se você respondeu a corrida pela adaptação tecnológica e digital, você está certo. O comportamento de consumo da sociedade mudou drasticamente e obrigou as empresas a atuarem em um ambiente 100% online. E muitas delas fizeram uma adaptação forçada para não fechar as portas.

Para você entender a real transformação do ambiente digital nos negócios, veja alguns números do índice MCC-ENET compilados pelo Comitê de Métricas da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico:

   • 110,52% de aumento nas vendas no e-commerce em junho de 2020 (em comparação com o mesmo período do ano passado).
   • 18,2% de consumidores realizaram ao menos uma compra online entre abril e junho de 2020 (aumento de 5,9% em relação ao mesmo período do ano anterior).
   • 12,6% foi o novo recorde no índice de participação do e-commerce no varejo em maio (as vendas pela internet representavam cerca de 5% do total do varejo).

Em outra pesquisa realizada pela empresa de inteligência de mercado Neotrust/Compre&Confie, os segmentos que apresentaram maior crescimento no segundo trimestre de 2020 foram alimentos e bebidas, com aumento de 241%; itens de cama, mesa e banho com crescimento de 236%; brinquedos subiram 211% e eletroportáteis bateram os 164%.

Ok. Mas o que isso tem a ver com o seu negócio? Tudo! Muitos desses consumidores estavam mais acostumados a comprar eletrônicos pela internet, mas com a necessidade dos novos tempos, eles perderam o medo de comprar produtos em geral. Essa mudança no comportamento é algo que estudiosos de tendências têm apontado como uma mega onda de valorização de empresas com infraestrutura e serviços tecnológicos como e-commerce, inteligência artificial, armazenamento em nuvem e sistemas de gestão.

Então, para não ficar para trás, que tal dar os primeiros passos para o ambiente digital? Selecionamos aqui alguns pontos básicos que podem representar uma mudança significativa nos serviços e produtos oferecidos por você para o consumidor.

   • 1. Implemente ou amplie o seu e-commerce. A tendência de compras pela internet cresce a cada dia. Para ajudar neste processo, a Sipag oferece serviços exclusivos para ambientes online como o link de pagamento que agiliza os recebimentos com links de venda enviados pelas redes sociais, e-mail, sms ou whatsapp. E para webstores, existe o split de pagamento que é perfeito para comercializar produtos de diferentes produtores em um único marketplace. .
   • 2. Contrate serviços de armazenamento em nuvem e segurança de dados. Migrar para o digital não é tão simples e você precisa se precaver a partir do momento em que dados da sua empresa estão sendo processados online.
   • 3. Videochamadas vieram para ficar. Todo mundo já entendeu que elas funcionam e economizam um tempo precioso que seria tomado por infindáveis reuniões presenciais.
   • 4. Sistemas de gestão digitais. Você pode gerar métricas, relatórios, acompanhar dados de vendas e otimizar a atuação do seu negócio tanto com o consumidor quanto com os colaboradores internos.

Os cenários futuros ainda são muito incertos, mas uma coisa é real: a tecnologia não vai recuar em nenhum setor da sociedade. É hora de você se reinventar e sair na frente. Procure por uma cooperada parceira da Sipag e escolha as nossas melhores soluções para ajudar você neste processo de transição tecnológica do seu negócio.

A pandemia ainda é uma realidade. Para uma atuação responsável do seu negócio, oriente-se pelas diretrizes da OMS (Organização Mundial de Saúde) e, também, pelos decretos do seu município e estado. Seja um agente consciente da recuperação da economia.

Central de Atendimento Sipag
Capitais: 3004 2013
Demais localidades: 0800 757 1013
Ouvidoria: 0800 646 4001
Deficientes auditivos ou de fala: 0800 940 0458

facebook instagram twitter Linkedin

@sipagbrasil